Oi, como podemos ajudá-lo?

OS EFEITOS DA CRISE

OS EFEITOS DA CRISE

No cotidiano, queira ou não, estamos sempre ouvindo comentários sobre a crise em referência, que continua atormentando a vida da maioria dos brasileiros de todas as classes. Dentre eles, destacam-se os mais de 12 milhões de desempregados atônitos, muitos dos quais sem saber o que fazer para manter o sustento de suas famílias.

E quando se trata das instituições privadas que têm muito a ver com o enorme índice de desemprego e, mais ainda a alarmante mortandade de milhares de micros, pequenas e médias empresas, tais acontecimentos se tornam ainda mais assustadores.

As classes produtoras integradas aos diversos segmentos da iniciativa privada, com urgência precisam de substancial apoio e incentivo governamental, para agilizar a retomada do desenvolvimento sustentável. Pois, são elas que geram riquezas, empregos e o bem-estar social, além de serem eternas colunas de sustentação do funcionamento administrativo das instituições públicas federal, estadual e municipal.

Evidentemente, sendo concretizada essa fundamental compreensão de apoio e colaboração recíproca entre governantes e a sociedade organizada, aí sim, o bom astral e os ânimos dos empreendedores serão reativados, quando certamente deixarão de acreditar que se encontram remando em barco sem rumo, sem saber onde vão chegar.

Até que as providências que se fazem necessárias, sejam devidamente tomadas em direção acertada, para viabilizar o resgate da necessária estabilidade do país, a receita ideal é o OTIMISMO que gera energia e a vitalidade que eleva o estado de ânimo na busca do melhor desempenho para o crescimento positivo dos empreendimentos, que em plena crise, estão acontecendo com sucesso em vários setores, por serem bem gerenciados.

Sendo assim, neste direcionamento é oportuno recomendar, para não haver desânimo em nenhum momento e, acreditar que existem saídas e soluções satisfatórias para a maioria das situações vexatórias. Para isto, devemos manter a perspicácia nas alturas, irmanada à persistência, a alta firmeza das ações e atitudes, para o bom desempenho administrativo dos empreendimentos, na convicção de que a atual crise é passageira, como outras que aconteceram no passado, as quais também atormentaram, mas foram todas superadas.

 

Alberto de Andrade Silva

Presidente da Alas Consultoria

Compartilhar

COMENTE